Síndrome do Pânico
O que é a Síndrome do Pânico
Causas e sintomas da Síndrome do Pânico
Profissionais de saúde mental
Tratamento
As pesquisas
Mitos sobre a Síndrome
Conviva com o problema
Fale conosco
Mapa do site








Causas e sintomas da síndrome
Causas
Vícios que atrapalham o paciente
Os sintomas da Síndrome
Ataques do Pânico e Trabalho
Confusão na Síndrome do Pânico
A consequências da Síndrome do Pânico
Para entender as causas da Síndrome do Pânico, é preciso conhecer a história de vida do paciente. Relacionadas a fatores ambientais/históricos e sócio-culturais, ela pode ser fruto de uma vida conturbada devido aos acontecimentos da infância (rejeição, separações, traumas, etc.) ou ao longo da vida do indivíduo (situações estressantes, consumo de drogas, pessoas com predisposição genética, etc.). As causas ainda são desconhecidas e são previstas hipoteticamente.
 
Considere três hipóteses:

indent1.pngFatores genéticos;
indent1.pngMedicamentos ou drogas podem aumentar a atividade cerebral, promovendo alterações no cérebro;
indent1.pngProdução desequilibrada de neurotransmissores (substâncias responsáveis pela transmissão do estímulo nervoso entre as células cerebrais), relacionados com vários elementos dos sistemas de alerta, reação e defesa do Sistema Nervoso Central. Ou seja, são ativados mecanismos desnecessários no cérebro que fazem uma pessoa reagir como se estivesse sendo ameaçada.
 
Sintomas

 
Baseado no Manual de Diagnóstico e Estatística de Doenças Mentais (DSM-IV), da Associação Psiquiátrica Americana, uma série de sintomas acontecem em curto período. Medo intenso ou desconforto e quatro ou mais desses sintomas atinge seu ponto alto em 10 minutos e são características essenciais de um Ataque de Pânico. Os critérios considerados são:

indent1.pngtremores ou abalos (crises de medo repentinas);indent1.pngsudorese (suor excessivo);
indent1.pngpalpitações e taquicardia (aceleração dos batimentos cardíacos);
indent1.pngsensação de asfixia;
indent1.pngsensação de falta de ar ou de sufocamento;
indent1.pngnáusea  ou dor abdominal;
indent1.pngsensação de instabilidade, vertigem, tontura ou desmaio;
indent1.pngmedo de morrer;
indent1.pngsensação de que as coisas não são reais ou despersonalização (estar distante de si mesmo);
indent1.pngmedo de perder o controle da situação ou enlouquecer;
indent1.pngcalafrios ou ondas de calor;
indent1.pngparestesias (sensação de anestesia ou formigamento ou entorpecimento das mãos);
indent1.pngdor no peito.
 
Ataques
 
Acontecem por 1 mês ou mais e os ataques com menos de quatro sintomas são chamados de ataques com sintomas limitados. Eles são classificados em:

indent1.pngAtaques do Pânico inesperados (não evocados) - não está associado a uma situação. Ocorre de forma espontânea.
indent1.pngAtaques de Pânico ligados à situações (evocados) - ocorre após a uma situação que ativa a doença.
indent1.pngAtaques de Pânico predispostos pela situação - estão associados a uma situação, mas não ocorrem  logo após ou por causa dela.

Alguns ataques são característicos de outros transtornos de ansiedade. Por exemplo, Ataques do Pânico  associados a uma situação é mais característico da Fobia Social específica; já os predispostos pela situação podem ocorrer na Fobia social ou específica.
 
Por isso, antes de iniciar o tratamento, é necessário que o médico faça uma avaliação diagnóstica do paciente para descobrir a fundo o problema.

Doenças semelhantes

 
Como os sintomas são semelhantes a outras doenças adverte-se fazer o diagnóstico diferencial entre elas:

indent1.pngHipertireoidismo e hipotireoidismo;
indent1.pngHiperpatireoidismo;
indent1.pngProlapso da válvula mitral;
indent1.pngArritmias cardíacas;
indent1.pngInsuficiência coronária;
indent1.pngCrises epilépticas;
indent1.pngFeocromocitoma;
indent1.pngHipoglicemia;
indent1.pngLabirintite, lesões neurológicas;
indent1.pngAbstinência de álcool e/ou outras drogas.
 
Para diagnosticar essas doenças serão necessários exames laboratoriais, gráficos e de imagem.

É ímportante destacar que 36 a 40% dos portadores do Transtorno apresentam prolapso valvular mitral (anormalidade na válvula mitral do coração), revelado na ecocardiografia.

Associação com outros distúrbios


indent1.pngAnsiedade antecipatória - o indivíduo começa a associar os ataques com certos locais que teve e vir a ter novos ataques.
indent1.pngDepressão - pode desenvolver antes ou durante os ataques. É limitado por fobias ansiosas e ela desaparece quando o paciente melhora.
indent1.pngDespersonalização - o indivíduo se sente fora do mundo real, tem crises existenciais, amnésias e apatia.
indent1.pngSomatiforme - transtorno que aparece ligado a algum evento da vida ou emoção e pode estar associado ao Transtorno do Pânico.
indent1.pngAgorafobia - medo ou ansiedade de lugares abertos que pode ocorrer com ou sem histórico de Transtorno do Pânico.

Consequências
 
indent1.png
Gastos excessivos em médicos, exames e tratamentos;
indent1.pngAfastamentos do trabalho, medo de promoções e demissão, etc;
indent1.pngA pessoa começa a ter medo de lugares abertos e a se afastar de reuniões sociais;
indent1.pngPerda econômica;
indent1.png
Recusas a convites de amigos, festas etc;
indent1.pngNo início, tem o apoio da família, mas no decorrer do tempo, é alvo de críticas;
indent1.pngPerda ou ganho de peso.

 





Site desenvolvido por KERDNA Produção Editorial LTDA